Tuesday, June 07, 2022

Poema da esperança relutante

Tão curto é o inverno como o verão,

Mesmo quando se arrasta longamente

E mesmo morrendo, deixa a semente

Do retorno ao mesmo chão.


Tão longo é o verão como o inverno.

A vida inteira pode ser breve,

Depois do sol, vem gelo e neve,

Mas não há um instante eterno.


É inglória a luta contra a roda

Que, nas suas voltas, ordena o mundo.

A eternidade parece um segundo


Quando o sol aquece e nada te incomoda.

Tempera com as tuas lágrimas a alegria

E sorri com esperança ao que te desafia.




Thursday, June 02, 2022

Pequena História da Desordem

Na Europa, divisão IV Sudoeste, 41560BE acabou de acordar. O som do despertador padronizado arrancou-o ao sono na hora prevista no sistema integrado de despertamento e elevação do leito (SISIDEL): sete horas da manhã no horário europeu unificado, seis horas na antiga hora continental portuguesa. Conforme ordenado pelo guião, levanta-se, coloca o pé direito no chão e dirige-se, dentro do minuto regulamentar, até à casa de banho. Sabe que se irá demorar entre 15 e 20 minutos na sua higiene diária. O último relatório do SISIDEL refere que na divisão IV Sudoeste o tempo médio é 19 minutos e 10 segundos, muito longe dos 17 minutos e 23 segundos da divisão I nordeste, facto apontado como uma das causas da baixa produtividade dos países da divisão IV em geral e do Sudoeste em particular. Retira a roupa de entre as opções do catálogo padronizado de indumentária (CAPIN): o número 5, camisa azul e calças bege. O sistema integrado de rotação e seleção de indumentária do CAPIN (SISROSICA) estabelece o uso obrigatório de todas as 12 opções disponíveis a cada mês. O programa aleatório de seleção de indumentária (POSI) gerou esta opção. Não será a que mais agrada a 41560BE, mas o regulamento é soberano. No muito improvável caso de desregulação no sistema, deve remeter o formulário regulador de análise e descarte de erro (FRADE) que será analisado pela mesa de trabalho de reconversão do erro (MTRE). Tomou o pequeno-almoço obediente ao guião metodológico de nutrição matutina (GUIMNUM), cerais e leite de soja.

O GUIMNUM prevê a possibilidade de refletir na vida enquanto come, 41560BE aproveitou a oportunidade já que o guião diário o proíbe no resto da jornada. Caso tenha pensamentos suicidas, sabe que deve preencher o formulário e enviar para os serviços de dissuasão da automorte (SERDISAM). O pensamento fugiu-lhe, nesta curta trégua, para 16192AM, a sua ex-mulher. “Nada mais triste do que um homem velho e só”, concluiu de modo a evitar incumprir com o GUIMNUM. 

Dirige-se para a porta revendo mentalmente os passos do sistema integrado de basculação orientada domiciliáriolaboral (SISBOD). Por momentos distraído, quase esquece o registo na aplicação pessoal de movimento de créditos (APEMOC), entra no sistema de avaliação de desempenho acordar/despertar (SIADAP) e submete o relatório. Ato contínuo, ouve o sistema eletrónico destrancar a porta e pode, finalmente, sair. O SISBOD tem sido alvo de grande evolução e aperfeiçoamento que implicou a eliminação de transportes redundantes. Havendo alternativas coletivas, todo o transporte individual foi suprimido. Constatou-se que o acesso generalizado a esta comodidade, incentivava a indolência para a qual os povos do Sul têm natural inclinação. Os poucos que receberem classificações de mérito no marcador identitário de uniformidade europeia (MIUE) poderão, cumpridos os requisitos de idoneidade e aplicadas a quotas, ser premiados com um automóvel por alguns meses. 41560BE teve uma classificação adequada que em nada o pode envergonhar. Dá-lhe acesso à carruagem de segunda classe, pode ir sentado, o que é mais de que muitos se poderão gabar. É uma justa recompensa que premeia as reincidentes horas extraordinárias e permanente obediência. 41560BE nunca forçou o seu dirigente a preencher um único formulário de negação laboral e reivindicação inoportuna de direito (FORNLARID).

No percurso, assiste ao vídeo obrigatório na carruagem, cumprindo o SISBOD. Os livros há muito foram proibidos e a conversa altamente desaconselhada, exceto se trate de observações meteorológicas objetivas e concretas, para isso são remetidos para os dispositivos móveis de identificação pessoal dados sobre a precipitação, nebulosidade e temperatura. O vídeo lembra as Regras e apresenta casos de sucesso de cidadãos sorridentes das várias divisões de Europa que conseguiram, através do Novo Sistema, alcançar os seus objetivos.

Antes da Grande Organização e Desenvolvimento (GOD), 41560BE era escritor. O algoritmo, omnisciente, associou-o ao centro de custos 41583, destruição de objetos irrelevantes: livros, quadros, estátuas, cada vez mais raros, são procurados pelas forças da polícia de identificação e destruição de objetos inúteis (PIDOI) e levados ao centro de reaproveitamento e obliteração do irrelevante (CROI). À medida que se aproxima da paragem, acede ao dispositivo móvel de identificação pessoal para classificar a viagem. “O sistema depende da monitorização cidadã constante e do envio de contributos” ouve-se no vídeo, onde todos sorriem, à medida que pressiona “enviar”.

Chega, finalmente, ao CROI. O trabalho é importante, como todos os de Europa, assim dizem os novos manuais escolares. 41560BE veste o uniforme de trabalho e segue, automaticamente, para o seu posto: fornalha de obliteração do irrelevante (FOI) n.º 249A. Realiza um primeiro exame ao contentor, muitos livros, algumas pinturas e uma estatueta. Fixa os olhos na estatueta, com a inscrição “reprodução de Nice de Samotrácia”. É subitamente acometido pela memória de uma visita, ainda pequeno, anos antes da GOD, a um museu no local onde é hoje a Europa, divisão I Centro. Não se recorda do nome do museu, mas a estátua causou-lhe grande excitação. Como a esta miniatura, faltava-lhe a cabeça. Ainda assim era bela, no conceito da altura, anterior à reorganização semântica europeia (RSE). Depois da GOD, o adjetivo belo apenas se tornou associado aos conceitos de organizado, útil e eficiente. Pega nesse objeto sem uso e atira-o para a fornalha preenchendo o auto de abate de objeto irrelevante (AAOI).

Começa agora a pegar nos livros. Cada vez mais escassos, ainda vão chegando alguns vindos de casas inspecionadas após denúncias anónimas. Enciclopédias, dicionários, manuais de matemática e livros técnicos devem ser encaminhados, reaproveitados e desmaterializados para a grande nuvem (GN) após envio para o sistema automático de identificação de obra passível de desmaterialização e tradução digital (SAIOPDTD). Outros livros que possam causar dano por estimulação da imaginação, devem ter como destino imediato a fornalha: romances, contos, poesia, teatro, ensaios, biografias (cronologias são aceitáveis), etc.

A GN foi das maiores medidas da GOD. A eliminação da internet foi um passo seguro na pacificação e uniformização das tendências opinativas dos cidadãos (PUTOC). Em substituição criou-se a GN, um recurso com vista a disponibilizar conteúdos objetivos para a promoção da racionalidade: estudos científicos, entradas de dicionário, exercícios interativos de matemática, e outros estão ao acesso de todos através dos dispositivos móveis e fixos de identificação pessoal. Um algoritmo sugere a cada cidadão os conteúdos que melhor se adequam às suas funções, para que um agente da PIDOI não ocupe o seu tempo com estudos sobre geologia ou um mineiro com documentários sobre enciclopédias. Há ordem e rigor na GOD, todos contribuem para que seja perfeita o que demonstra a sua perfeição.

A sua mão sente primeiro a comoção, antes mesmo de que os olhos, ansiosos, o confirmem. Quando olha o livro, lê primeiro o nome do autor, “José Saramago”. Costume encarado como primitivo, este de escolher um nome para os filhos. 41560BE já esqueceu o seu, mas este nome é-lhe familiar. Seria possível que também ele se chamasse José? Não consegue responder, mas continua a sentir um estremecimento inexplicável. “Ensaio sobre a Cegueira”. Será um livro de medicina? Um espaço inominável, para lá da consciência, é o único que parece reconhecer o livro. Levanta os olhos, procurando, em vão na brancura do teto uma resposta para esta agitação. Baixa-os para o chão com a impressão persistente de que esse branco se manterá, mas não. Distingue no chão vermelho o seu calçado regulamentar.

Impressionado com a situação, pondera por instantes submeter um relatório aos serviços de manutenção da sanidade (SMS), mas, antes que decida o que fazer, já submeteu o livro para o SAIOPDTD. 41560BE não tomou ainda consciência do que fez, já a máquina cataloga o livro, traduz para as línguas oficiais de Europa e disponibiliza na GN.

O algoritmo sugere o livro em primeiro lugar aos oftalmologistas. Estes atribuem uma pontuação elevada no sistema de avaliação de conteúdos da grande nuvem (SACGN) que leva a que seja também apresentado aos médicos, enfermeiros e, enfim, a todos. Apesar das proibições, fala-se do “Ensaio sobre a Cegueira” em todos os lugares. Quem lê, não resiste à urgência de falar sobre o livro, aqueles que apenas nessa ocasião dele ouvem falar, não conseguem evitar aproximar-se. As praças das cidades de toda a Europa enchem-se de gente para escutar a razão deste anunciamento mágico.

Uns poucos cidadãos cumpridores preenchem FRADEs abundantemente, mas a MTRE já não consegue responder a todos. As praças vão-se enchendo de gente, ignorando sistemas e ordenações. Os CROI são invadidos em toda a Europa por gente que atira os APEMOC para as chamas, celebrando a sua destruição com cantos que tinham esquecido.  Multidões abraçam objetos antes destinados à fornalha, repetindo palavras proibidas que o livro fez relembrar: arte, pensamento, criatividade, liberdade, identidade.

41560BE terminou o seu pequeno-almoço e olhou por uns instantes a tigela vazia. Suspirou, sentindo o peso costumeiro do seu corpo, presente, pesado. Tinha deixado o pensamento voar longe demais. Como ave amestrada, a sua consciência regressou, com asas douradas, enfim, à sua gaiola. Estava na hora de ir produzir.

 


Wednesday, December 01, 2021

Atenas III

 Alguns metros quadrados no topo de uma colina, mas o local mais disputado desta zona do planeta. Apenas Jerusalém foi mais cobiçada. Atenienses, espartanos, persas e romanos foram tomando a Acrópole e a cidade. Os nazis também, mas dois rapazes, Apostolos Santas e Manolis Glezos, fizeram o que todos queriam mas o medo impedia: retiraram a bandeira com a suástica, hoje símbolo do ódio.

Os templos resistem estoicamente ao tempo. Atena já não tem sacerdotisas, tão pouco Poseidon. Ascendemos pelo Propylaea sem oferendas para Atena, mas ansiosos por um pouco da sua sabedoria.

Finalmente a cidade, finalmente uma noção concreta de Atenas. Pericles terá realmente sido o primeiro político, o primeiro homem de estado. Para que aquilo que se vê da acrópole tenha resistido 2500 anos, era necessário que se construísse o que está no topo. 

Depois Sounion, o cabo das colunas. Neste local onde erigiram um templo a Poseidon e Egeu pôs fim à sua vida, em desgosto. Os dois pais de Teseu assistem à sua chegada. O divino conhecedor da sua vitória, o humano, enganado pela cor das velas, a cumprir a profecia do Oráculo de Delfi e a atirar-se às águas. Aqui esperamos pelo pôr-do-sol sentindo o sopro de Poseidon. Algo em mim muda um pouco. A história, quando tem um espaço concreto ganha verosimilhança. E mais uma peça do meu barco é substituída, melhorada talvez. No mar Egeu não vejo velas, brancas ou negras. Mas Teseu, continuando a ser um mito, é mais real. 

Tuesday, November 30, 2021

Atenas II


Porto de Pireu. Navios do tamanho de edifícios. Vento, muito vento. Mas estes navios não precisam dele, não têm velas.

As pessoas agitam-se na estação de metro. Alguns turistas, mas sobretudo gente que quer ir trabalhar. O metro talvez esteja em greve ou seja pouco eficiente. Uns voltam para trás e vão para o autocarro, as caras mostram desagrado. Eu sento-me à espera. Por uma vez não tenho pressa. Vejo cada pessoa que entra, voltar a sair com a cara mudada pela contrariedade. A meu lado carregam entulho e à minha frente uma senhora segura o seu quiosque para que não voe com o vento. Lembra-me o guerreiro, de regresso a Itaca, amarrado ao mastro do navio para ignorar o apelo irresistível das sereias.

A carruagem foi-se preenchendo. Tomado por um receio de partir, por equívoco, para uma estação longínqua, por instantes um receio maior do que o do vírus que nos faz cobrir a cara, peço ajuda. Sim, vou para o sítio certo, dizem-me. Só aí verifico a ausência total de desinfetantes e o vírus volta a mandar nos meus receios.

Saio da estação à procura de álcool. Sou surpreendido pela visão da acrópole que reina sobre a cidade. Milhares de anos de história em cima daquela colina. Daquela rocha. Homens transformados em deuses e deuses que eram como os homens. Hoje reduzidos à sua representação em imans para frigoríficos, porta chaves e outros souvenirs made in China. Ainda procuro Teseu, Thessias, mas não há. Temos os deuses, Aquiles, olhos azuis e reproduções de edifícios moldados nalgum país asiático. 

Plaka é um labirinto de ruas concebido para o turista se sentir perdido. Procuramos perder-nos quando viajamos para irmos ao encontro do cliché da autodescoberta, da viagem interior. Para, no falso alívio após o reencontro do caminho, nos sentirmos como Ulisses quando, uma vida depois, reencontra a costa familiar da sua ilha.

Em cada esquina, olhando para cima, de novo a acrópole. Parece desafiadora, altiva. Amanhã irei lá estar. 

Monday, November 29, 2021

Atenas I

Uma oportunidade perdida. Aegean como nome de uma companhia aérea grega é isso mesmo, uma oportunidade perdida. Pegasus, Dedalus, Ajax seriam nomes bem mais apropriados. Icarus já não tanto, descolava bem, voava sem problemas, mas era mais fraco nas aterragens e talvez não desse tanta confiança a potenciais passageiros. 

Aterrei agora em Atenas num avião cheio de gregos. A cadência da fala próxima dos latinos, mas a fonética menos familiar. Antes de os ouvirmos, não os conseguimos logo identificar. Parecem portugueses alguns, outros espanhóis, outros ainda turcos.

Piso com meus próprios pés a pátria dos mitos, numa altura em que, por coincidência, estes me interessam. Sobretudo Teseu, o herói dos atenienses, o homem forte por excelência. São cinco horas em Portugal, aqui sete. Já é noite. Aterro em Atenas de noite. Os placards publicitários num alfabeto que desconheço. Os símbolos sozinhos ou juntos, indecifráveis. Experimento um misto de uma espécie de analfabetismo com o prazer de me deslocar para um lugar longe e diferente. Não saber sequer ler aqui humilha-me e poder estar aqui exalta-me. São sentimentos que guerreiam entre si. Deixa-los, ausento-me de mim para assistir à batalha.

Sunday, October 24, 2021

Labirintos

Sempre chegamos ao sítio aonde nos esperam

José Saramago

 

No tempo em que vivia ainda em sociedade, estava sempre a desfazer o mesmo equívoco, Teseu, T-E-S-E-U. Numa aldeia em que, por tradição, é o padre quem batiza os recém-nascidos, seria de esperar que houvesse gerações inteiras com nomes retirados dos Testamentos, mas não. O padre citava Homero com o mesmo fervor que colocava nas leituras dos evangelhos, de maneira que os nomes dos aldeões remetiam, irremediavelmente, para a civilização helénica. Os amigos de infância de Teseu partilhavam este infortúnio que os acompanhou pela vida fora. De Apolo a Zeus eram forçados a soletrar o nome nas repartições públicas, com grande inconveniente e desperdício de tempo.

Quem, por improvável acidente, se depara com Teseu, fica surpreendido. Tentar definir a sua idade é um exercício que nos confunde. A calma e resignação dos anciãos contrasta com uma face que não se mostra ainda marcada pela passagem dos anos. A sua vida, embora curta, tem sido rica em acontecimentos, ora milagrosos, ora trágicos. Recorda-os muitas vezes, perseguem-no durante as noites insones na sua cela. Nas ocasiões em que adormece, vencido pelo cansaço, revive esses momentos, incapaz de os alterar ou compreender. Acabou por aceitá-los, o que lhe trouxe algum conforto.

Órfão de mãe e com pai incógnito, viveu a sua infância, criado pela avó, perto de uma pequena aldeia chamada Monfurado. A única lembrança que alguma vez teve de quem o pôs no mundo foi o preto de que se cobria a avó e uma fotografia da mãe em cima de uma cómoda, ornamento único na sua humilde casa. A avó, Umbelina, já Teseu apenas conheceu como uma sombra da rapariga capaz de andar de sol a sol, dobrada, a mondar e ainda chegar a casa com vagar e disposição para resolver os trabalhos domésticos. Um ataque qualquer sofrido por altura do nascimento do neto, tinha-a deixado com uma perna “teimosa” e uma parte da cara paralisada. Umbelina era apenas capaz de meios sorrisos para o neto, numa expressão gasta e carregada pelo luto.

Em volta desta aldeia existe uma serra com o mesmo nome onde, séculos atrás, viveu uma comunidade de monges no Mosteiro de Nossa Senhora do Castelo das Covas de Monfurado.  Alguns anos depois de finalizada a construção, veio o grande terramoto, reduzindo-o a ruínas. Grande parte dos monges abandonou o local, mas outros dos religiosos, da ordem dos Monges Eremitas Descalços de São Paulo, ficaram a viver em lapas e grutas, abundantes na serra, para se penitenciarem. Mais do que estarem expostos aos elementos e à fome, o maior castigo era o silêncio do céu, a ignorância das ofensas que teriam causado esta punição divina. Ainda hoje, quase engolidos pela natureza, há vestígios destes monges: as ruínas e as covas. Este lugar tem exercido grande atração sobre os locais que, quando jovens, inspirados pela literatura de aventura e pelos heróis do cinema, sentem a tentação de os explorar.

Também Teseu ouvia este canto de sereia. Para o afastar, a avó bem inventava elaboradas fantasias sobre monges que ainda por lá se escondiam, alimentando-se da carne de meninos desobedientes ou ainda estórias sobre os fantasmas de religiosos que se finaram, soterrados pelas vigas e cujos lamentos se conseguiam ouvir em noites de temporal. Pretendia a senhora afastar o rapaz deste lugar perigoso, mas só lhe fazia crescer o desejo de o explorar. O convento tinha para Teseu, como para os outros habitantes da aldeia, tanto de assustador como de sedutor. Qualquer rapaz que se quisesse provar homem tinha que o visitar, sozinho, para mostrar a sua coragem.

Um dia, chegando tarde a casa, ocupado a apanhar cogumelos e cardos, a avó fez-lhe nova advertência sobre o mosteiro, imaginando que teria sido talvez esse o caminho que o rapaz tinha tomado. Sem saber bem porquê, Teseu adotou, nesse instante, a resolução de, no dia seguinte, se testar na serra. Umbelina não soube desta decisão do neto nem calculou que foi o seu aviso que o decidiu a alterar o percurso no dia seguinte. Mesmo que o viesse a saber, não se culparia pelo que aconteceu. Acreditava em algo que guiava os nossos passos, em lugares comuns como ser a vida um livro que contém todos os acontecimentos, do nascimento à morte, do qual vamos apenas conhecendo, vagarosamente, página a página. “Estava escrito” dizia às vezes, como se soubesse ler, ela que desconhecia todos os alfabetos. “Calha assim” era o ponto final das conversas sempre que tinha de justificar uma seca que arruinava as colheitas, ou a morte de um vizinho ainda novo de uma “doença manhosa”.

Muitas vezes, ao serão, sobretudo no inverno, quando as noites frias mais convidavam os corpos a juntarem-se junto à lareira, as chamas a lançarem sombra e fumo pelas suas caras, Umbelina evangelizava o neto nesta fé. Pouco sucesso obtinha, Teseu rebelava-se. Então não era ele um homem? Não estava nas suas mãos o que havia de vencer ou perder? Seria a vida apenas um lançamento de dados à nascença? Não aceitava, com os seus escassos anos e tanto por viver, não ser ele o senhor do seu destino.

Assim, quando tudo aconteceu, a avó entendeu que o sucedido foi congeminado por essa força secreta e Teseu percebeu uma mão invisível a guiá-lo.

No dia seguinte, lá marchou. Ao entrar, satisfeito por tornar-se, afinal, um homem, surpreendeu-se por não sentir medo. Percorreu a igreja despojada dos símbolos e imagens, descansou no claustro que a vegetação reclamava, aventurou-se na cripta decifrando as pedras tumulares e subiu os estreitos degraus que conduziam ao cimo do campanário. Comparava a paisagem que descobria com o que a sua imaginação lhe arquitetara. Percorria-o um sentimento de familiaridade, como se conhecesse já aquele lugar. Olhando o sol, deu pelo avançar das horas e decidiu voltar. Antes disso, atraído por uma pereira brava, decidiu apanhar alguma fruta. Não tinha a certeza de estar a roubar. Ainda que estivesse, a fruta roubada sempre lhe soubera melhor. Feita a colheita, apontou em direção à aldeia.

Era o final de um dia de calor e o céu do poente parecia explodir de cores atrás da serra, a infinidade de tons entre o laranja e púrpura lembrava outras tantas possibilidades em aberto. A luz dourada estava no próprio ar que Teseu respirava, confundia-se com o cheiro a silvados e montado. O rapaz sentia-se fora do tempo. Acomodava, cuidadosamente, os saramenhos nos bolsos, quando uma vertigem tomou conta dele. Todo o mundo se agitou e contorceu. O céu do fim da tarde aparecia e desaparecia de repente. Os pés, mesmo agitados de modo frenético, não alcançavam o chão. Apenas o choque do seu corpo contra alguma coisa lhe deu a noção concreta do que tinha acontecido. Abriu os olhos e deu por si dentro de uma cova, a saída a uma altura impossível. Debateu-se algum tempo com esta realidade, tentou negá-la. Talvez fosse um sonho e não tardasse muito que a avó o acordasse. As dores que sentia, bastante reais, apontavam noutro sentido. Sentindo-se de novo pequeno e tomando consciência das circunstâncias, foi procurando locais onde se agarrar e apoiar os pés até aceitar que esta escalada estava para além da sua força e perícia. A humidade tornava a escalada ainda mais difícil. As mãos, feridas e desesperadas, foram desistindo aos poucos.

Durante duas noites, Teseu esteve naquele buraco. Sozinho. Pela primeira vez, realmente sozinho. Exposto ao frio e apenas com um punhado de peras para se alimentar. Não em três frases como aqui. Longas foram as quarenta horas em que suportou o medo e a fome. Ouviu no vento que soprava os lamentos e as fúrias dos frades. A escuridão dava forma aos seus medos pueris, monstros com formas bestiais: touros, serpentes, javalis. Os primeiros raios da alvorada em vez de consolo, apenas ofereciam alguma luz à sua situação. As paredes que tateava de noite, tinham agora a forma concreta de uma prisão, eram reais. A garganta, cansada de tanto gritar, protestava a cada nova tentativa de encontrar quem lhe pudesse acudir. Consumidas as peras bravas, a fome instalava-se aos poucos. Sentindo-se enfraquecer e desmotivar, Teseu começava a resignar-se à inevitabilidade.

Quem, aos dez anos, poderá já conhecer as facetas todas do destino? A resposta parece óbvia. Se nem no leito da morte grande parte da raça humana a chega a encontrar, como poderia Teseu tê-las encarado? Contudo, a morte não lhe era estranha. O retrato da mãe que não chegara a conhecer lembrava-lhe, todos os dias, que a morte existe. Para combater o medo, a fome e o tédio, tentava lembrar-se de todas as pessoas que conhecera e tinham morrido. Procurava recordar o nome de todos os mortos que velara, arrastado pela avó. Teseu sabia que tinham sido muitos e seriam ainda mais depois dele.

Os pensamentos iam-se sucedendo, cada vez mais rebeldes, desobedecendo à sua vontade. Imaginava a avó preocupada por ele não chegar a casa, a procurá-lo cada vez mais desesperada. Depois a receber a notícia de que fora encontrado ali, sem vida. Angustiava-se por lhe infligir esta dor e imaginava-se noutro retrato na cómoda, ao lado da mãe.

O fim deste tormento veio por fim. Teseu esperava uma morte em figura de gente, como descrita nos contos da avó, uma morte com quem se podia conversar e mesmo negociar, mas acabou por ser a cara sardenta de uma colega da escola, Ariadne, que encontrou ao olhar para cima. Duvidou do que via, habituado a supor vultos e iludir-se com vozes na sua vigília. A cara desapareceu tão depressa como tinha aparecido, o que parecia confirmar a ideia de uma aparição, mas Ariadne tinha ido chamar ajuda. Passadas algumas horas, carregado ao colo, entrava triunfalmente na aldeia. A notícia do seu resgate correra depressa já que todas as almas do local o procuravam incessantemente desde que a avó dera o alerta. Todos queriam encontrar o garoto, alguns por genuína preocupação, muitos por vaidade, como se Teseu fosse um prémio. Por isso, quando se sabia que tinha sido encontrado, perguntavam quem tinha sido o autor dessa proeza. Todos acharam estranho que o padre se risse com a resposta.

Teseu nunca mais quis largar de vista a rapariga que o tinha salvo. Logo que se restabeleceu, procurava estar junto dela todos os dias. Na escola, encontrava-a ao intervalo, acompanhava-a a casa, em silêncio, quando saíam. Levava-lhe fruta da época, colhida no pomar que tinham perto monte. Às vezes, escrevia-lhe curtos bilhetes ou arriscava poemas que ela amarrotava e deitava fora. Vivia alheado do resto, apenas Ariadne o ligava a este mundo. Os instantes em que não estava próximo dela eram ocupados a recordar a sua figura e as constelações de sardas do seu rosto. A rapariga acabou por habituar-se a esta presença lacónica e àqueles olhos, sempre apontados aos seus. Durante anos, Teseu foi uma sombra, que Ariadne tolerava graciosamente porque parecia compreender que algo os unia.

Um dia, Ariadne surpreendeu o olhar de outro rapaz, Dionísio, e soube que este a amava. Corou e sorriu-lhe abertamente. Casaram depois de um curto noivado. Tudo tão rápido que Teseu nem sabia o que pensar, sentia tremer o chão que pisava. Quando viu os noivos sair da pequena igreja da aldeia, sentiu-se perdido. Pouco depois, Ariadne mudou-se para Vila Nova, para longe do rapaz que agora a enfastiava. Mesmo assim, tudo na aldeia lhe fazia lembrar a cara daquela que o obcecava desde o momento em que tinha renascido. Pensou em partir, buscar outra terra, outras gentes, mas sabia que isso lhe não traria alívio. Vagueava pelas ruas da aldeia. Quem o via passar, cabelo em desalinho e ar de quem tinha perdido o tino, metia-se em casa, corria o trinco e benzia-se. Passava à casa onde viveu Ariadne várias vezes durante o dia. Havia quem jurasse tê-lo visto, enroscado como um cão abandonado, a dormir à porta da igreja, onde a vira pela última vez.

Procurando um fim para o seu tormento, percorreu os quilómetros que o separavam da rapariga. Demorou alguns dias a encontrá-la, percorrendo as ruas de dia e dormindo onde calhava durante a noite. Encontrou-a à saída de uma mercearia, carregada de sacos e esperanças:

— Ariadne… — o tom entre o lamento e a súplica.

— Teseu, o que é que… — o olhar da rapariga não se erguia do chão desde que o vira. Não havia medo, apenas frio. 

— Não sei, precisava de te ver… Preciso de te ver — procurou ser determinado, mas a voz falhava.

— Mas porquê? Porque é que tens que estar sempre atrás de mim? — Ariadne arrastava a voz para que soasse calma. Respirou fundo, fechou os olhos e colocou as mãos sobre o ventre, acariciando-o.

Teseu deu por todos os gestos. Conhecia-a melhor que ninguém. Já a tinha observado a tentar disfarçar a irritação com esta falsa tranquilidade para, de seguida, explodir em fúria. Por isso, decidiu-se a dizer tudo de uma vez.

— A cova! Tu encontraste-me! Tu salvaste-me! Estás ligada a mim…

A fúria prevista impediu-o de dizer o resto:

— Estou ligada a ti? Porquê? Deixa-me! Salvei-te, é verdade, foi por minha causa que saíste daquele buraco, mas parece que... Às vezes desejo nunca te ter encontrado, que tivesses ficado lá e me...  respirou fundo, canalizando toda a calma que conseguia reunir  nos deixasses em paz!

A conversa terminou assim. Ariadne deixou-o com estas palavras definitivas. A Teseu nunca mais ninguém ouviu a voz. Decidiu guardar os seus poucos haveres numa saca e encaminhou-se para o mosteiro. Como os monges Eremitas Descalços de S. Paulo, também este jovem Teseu se adentrou no coração da serra. Aí, tomando uma vida de silêncio e contemplação, diz-se que conseguiu, numa cela do mosteiro, encontrar a paz que lhe faltava desde o dia em que Ariadne o retirou de onde o destino o esperava.

 

Thursday, October 07, 2021

Fragmento sobre Homeless Giant de Eric Drooker


Segura nas mãos esta frágil luz, é tua!

Tesouro desdenhado por tantos.

Na cidade que dorme, agigantas-te,

Até que a alvorada te diminua.